Geral Televisão

Especial Quinto Canal – Revista do Ano 2016: Televisão

Na última semana de 2016 o Quinto Canal traz até si mais uma Revista do Ano onde iremos recordar os melhores momentos das nossas áreas em destaque.

Embora tenhamos também como destaque os Videojogos e a Tecnologia, e até mesmo a Música ou as Séries e o Cinema, é sem dúvida a Televisão que continua a ser o centro das atenções do nosso site, e foi a partir daí que cresceu o Quinto Canal.
E por isso mesmo é a Televisão que encerra a nossa Revista do Ano 2016, onde iremos analisar especialmente o melhor e o pior dos três principais canais generalista em Portugal, sem esquecer que 2017 continuará a dar que falar no que toca às novidades da caixinha mágica.

[youtube id=”G6ld6qpPo0U” width=”620″ height=”360″]

Começando esta viagem pelo universo da RTP1, foi a estação pública que mais deu provas do seu investimento em programação, e felizmente com uma forte componente no que toca à ficção nacional. O canal ao longo de 2016 estreou várias séries e novos formatos nacionais, começando logo em janeiro com a chegada de The Big Picture na área dos concursos e Terapia no mundo das séries.

Seguiram-se ao longo dos meses seguintes Aqui Tão Longe, Mulheres Assim, Os Boys, Miúdo Graúdo e Dentro, além de emissões especiais de entretenimento como a cobertura do NOS Alive, MEO Marés Vivas, Volta a Portugal, Euro 2016, entre outros. Infelizmente qualidade não é sinónimo de audiências, e praticamente todos os formatos de ficção nacional não vingaram nos números audimétricos, passando despercebidas à grande maioria dos telespetadores.

Contudo a RTP1 não desistiu, e assumindo-se como um canal com programação alternativa, já nos primeiros dois dias de 2017 irá estrear Os Extraordinários, Ministério do Tempo e O Sábio. O resto do ano promete assim ser bastante promissor para a estação pública.

[youtube id=”ntp73j934OQ” width=”620″ height=”360″]

Se por um lado a RTP1 apostou fortemente em novos conteúdos para os seus telespetadores, a SIC afirmou desde o início que 2016 seria um ano de contenção de custos, sem grandes apostas em entretenimento, e acima de tudo sem formatos inéditos. Cumprindo à risca essa afirmação, a estação de Carnaxide realmente apenas fez quatro estreias inéditas na sua programação ao longo dos últimos 12 meses.

Tirando a chegada do bem sucedido E Se Fosse Consigo? em abril, Rainha das Flores em maio, Amor Maior em setembro e Best Bakery em outubro, sem contar com as habituais novelas brasileiras e séries internacionais transmitidas em late-night, a restante programação foi feita de diversas reposições dos mais variados programas, começando logo por janeiro, quando para as noites de domingo a SIC passou a transmitir os antigos SIC Filmes, à mistura com os episódios diários de algumas das suas novelas.

2016 na SIC também ficou marcado pela perda da liderança do horário nobre para a TVI, tendo sido posteriormente recuperada com a chegada de Amor Maior. Portugal em Festa também deu que falar com o seu cancelamento, colocando o seu lugar à disposição do cinema, que atualmente ainda ocupa a grelha de programação, e ainda a fechar o ano outro cancelamento confirmado, o do Grande Tarde, que irá assim abandonar as tardes do canal já a partir das primeiras semanas de 2017.

Será que o Novo Ano irá trazer melhorias ao canal?

[youtube id=”D1WF7b96trU” width=”620″ height=”360″]

2016 chega ao fim, e uma vez mais a TVI só tem razões para comemorar, ao conquistar por mais um ano consecutivo o título de canal mais visto em Portugal. Para este sucesso contribuíram as lideranças incontornáveis de Você na TV! e A Tarde é Sua em pleno daytime, e ainda as novas temporadas de A Única Mulher, que ocuparam as noites de segunda a sexta-feira ao longo de todo o ano. MasterChef Júnior, Pequenos Gigantes, ou mais recentemente o A Tua Cara Não Me É Estranha foram outros formatos já bem conhecidos dos telespetadores e que contribuíram para o seus sucesso.

Mas a verdade é que, mesmo sendo um canal líder, nem tudo correu como esperado. O canal decidiu em abril apostar em Massa Fresca, uma nova série juvenil para fazer lembrar os velhos tempos dos Morangos Com Açúcar, mas o resultado não foi o esperado com as audiências a fazerem com que uma segunda temporada fosse completamente descartada, pelo menos por agora. As más audiências também parece que atingiram os reality-shows, com Love On Top a ser um verdadeiro fracasso nas noites de sábado, e mais recentemente a Casa dos Segredos 6 a baixar bastante os números audimétricos, em comparação às cinco edições anteriores, perdendo praticamente todas as semanas para a concorrência do The Voice Portugal.

Será que a tendência se irá manter em 2017?


Se perdeu algum detalhe sobre a nossa Revista do Ano 2016, recorde agora os melhores momentos nas diversas áreas:

Revista do Ano 2016: Videojogos e Tecnologia
Revista do Ano 2016: Séries
Revista do Ano 2016: Cinema
DEIXE O SEU GOSTO E PARTILHE:

Artigos Relacionados