inside gaming

Hoje falo-vos de um jogo que me acompanha desde a minha adolescência e que apesar de contar com uma série de jogadores por todo o mundo provavelmente ainda é desconhecido para muitos. Este Massive Multiplayer Online Role Playing-Game (MMORPG) foi lançado em 2001 pela mão da Jagex e destingiu-se de muitos outros por ser jogado no browser utilizando o Java (que foi uma das principais criticas dos jogadores desde o inicio, pois ao utilizar esta tecnologia não se obtém uma qualidade gráfica elevada).

Runescape passa-se num mundo de fantasia onde os jogadores têm muito que fazer. Todos os avatares são totalmente customizáveis e ao contrário de outros jogos do género (sendo World of Warcraft, ou WoW, o mais conhecido), o jogador não se foca apenas numa habilidade (arqueiro, mago, guerreiro), mas sim em aumentar os seus skill points. Ao todo existem 25 (oito são para membros, mas já lá vamos) e conseguimos aumentá-los ao realizar atividades que aumentem a experiência (Xp) de cada um deles. Por exemplo, ao cortar árvores aumentamos o nível de wood cutting, ao combater de forma defensiva aumentamos a skill de defesa e por aí em diante. Com os materiais que recolhemos é possível craftar (ou construir) diversos itens. O principal foco deste jogo são os quests, ou seja as missões. Cada jogador escolhe o rumo que quer tomar e realiza estas tarefas quando achar que o deve fazer. Ao todo existem 23 quests free e 166 para membros. Além da diferença de números ser abismal, garanto-vos que estes 23, com o aumento das skills e mais todas as formas de combate que existem, proporcionam imensas horas de jogo. Jogo desde os meus 15 anos, 5 anos após o lançamento oficial do jogo, e muitas contas depois (sempre free que isto não está fácil para ninguém), nunca me fartei dos quests que existem. De todas as vezes que realizamos um, o modo como o abordamos é diferente o que torna a experiência única. Já para não falar que as missões vão desde ajudar gnomos e ogres a derrotar vampiros adormecidos à centenas de anos.

runescape

Sendo este um jogo com uma grande componente social (não fosse ele um Massive Multiplayer Online), existe a necessidade de interagir com os restantes jogadores. Confesso que nunca fui adepta deste género de jogos pois prefiro jogar sossegada sem pedir ajudas a ninguém, mas em Runescape não só é necessário pedir ajuda a outros jogadores para determinadas missões como é possível realizar batalhas PvP (Player Versus Player), além das necessárias batalhas contra os NPC’s, ou monstros. Existem áreas específicas para os jogadores se atacarem entre si, enquanto os monstros habitam todo o mundo e o loot (recompensas que os inimigos deixam após morrerem) é bastante variado.

Como referi no início, existem jogadores free (que têm as suas opções de jogo limitadas, assim como o tamanho do mapa) e membros (com assinaturas desde um mês por 6.95 €, até um ano por 64.95€). Obviamente quem opta pela conta paga tem muitos mais benefícios, mas em mais de 8 anos de jogo nunca tive a necessidade de o fazer pois as opções servem bem para nos entreter (no entanto com uma das atualizações feitas – e o são muitas – as novas contas recebiam 15 dias como membro, o que serviu para aguçar muito o apetite em adquirir uma).

runescape2

Não necessita de instalação e de forma gratuita podem experimentar bem do que se trata este jogo, tudo a partir do vosso browser. Aproveitem pois hoje foi lançada uma atualização que veio mudar uma das principais queixas dos jogadores. O jogo encontra-se agora a utilizar o HTML 5 em vez do Java, o que aumentou em muito a qualidade gráfica e o detalhe do jogo. Para celebrar este feito e o início de uma nova Era – é agora chamado de Runescape 3 – foi lançado um evento que disponibiliza missões e itens novos e especiais para todos.

Podem começar a jogar de imediato aqui.

Já conheciam este jogo? Ficaram com curiosidade? 🙂

DEIXE O SEU GOSTO E PARTILHE:

Artigos Relacionados