Apesar de ser uma das caras mais conhecidas da TVI, confessa que a sua vida é uma constante aprendizagem. O esforço do seu trabalho tem-na brindado com desafios estimulantes, recordando com algum saudosismo e prazer os seus primeiros passos em Quem Quer Ganha. Atualmente participa no formato de domingo Somos Portugal, mas gostava de voltar a conduzir uma segunda edição do talent show Rising Star. Falamos pois da apresentadora Leonor Poeiras. O Quinto Canal dá-lhe a conhecer um pouco mais desta comunicadora nata.

Quem é a Leonor Poeiras?

Sou uma otimista. Sou muito espontânea. Sou verdadeira. Sou genuína. Um bocadinho teimosa, mas sempre alegre.

…sou uma comunicadora por natureza e tenho noção que me expresso bastante bem através da minha imagem.

Já foram vários os projetos que abraçou na televisão, é uma pessoa comunicativa por natureza? Esta é a área em que se imaginava quando era ainda criança?

Sim, já abracei vários projetos na televisão. Não desde muito pequenininha que me imaginava neste mundo, mas, por altura da faculdade, percebi que a televisão seria o caminho certo, uma vez que sou uma comunicadora por natureza e tenho noção que me expresso bastante bem através da minha imagem. Não apenas com as minhas palavras mas com toda uma expressão corporal, vamos dizer assim.

De todos os programas que apresentou, obteve grande notoriedade através da condução do concurso Quem Quer Ganha. O que definiu o sucesso deste projeto?

O Quem Quer Ganha é um programa que está no meu coração. O que definiu o sucesso deste programa foi o facto de trabalhar com uma equipa que mais parecia uma família. Eramos muito poucos, seis, sete pessoas, e assim aconteceu durante largos anos. Um programa didático, bem-disposto e familiar. Era um prazer fazer o Quem Quer Ganha e trabalhar de segunda a sexta com esta equipa é de facto o sonho de qualquer apresentador. Sentirmo-nos sempre em casa, dia após dia.

Um dos formatos onde é presença recorrente é o Somos Portugal. Apesar das críticas feitas, maioritariamente através das redes sociais, ao programa de domingo da TVI, este já conta com três anos de existência e é líder de audiências no seu horário. A que se deve este feito?

O Somos Portugal é um programa que vai fazer quatro anos. É líder de audiências, é verdade, e isto deve-se ao facto do povo português … do público português querer e precisar de alegria. É isso que nós oferecemos. São seis horas em direto de música em português, com artistas portugueses. Damos voz e palco a todos aqueles que alegram, vamos dizer assim, e nos põem a dançar através das suas músicas.

Leonor Poeiras

Não estão asseguradas ainda na sociedade, de uma forma geral, as mesmas oportunidades, nem igualdade de direitos entre homens e mulheres.

Assumidamente feminista, na sua opinião, ainda há muita diferenciação entre mulheres e homens no meio televisivo?

Curiosamente, não sei se há uma grande diferenciação entre mulheres e homens no meio televisivo, e estou a falar do entretenimento apenas. Porém, não estão asseguradas ainda na sociedade, de uma forma geral, as mesmas oportunidades, nem igualdade de direitos entre homens e mulheres. Portanto é urgente, e muito importante, continuar a falar em feminismo.

É também uma mulher muito virada para os trabalhos manuais. Pode ser encarado como um escape à sua profissão?

Os trabalhos manuais não são propriamente um escape à minha vida profissional. São de facto algo que está inserido na minha vida desde sempre. Sou completamente adepta do Do it Yourself (Faça Você Mesmo) e por isso é … enfim … um hobbie que está a crescer. E ainda bem!

Seguindo a “onda” de muitas figuras públicas, decidiu criar o seu próprio espaço na internet, intitulado de Oficina Poeiras. Em que é que este blogue se diferencia dos outros?

O aparecimento de vários blogues na internet não me parece que seja um exclusivo de figuras públicas. Muito pelo contrário, as figuras públicas são poucas no meio do universo dos blogues. A Oficina Poeiras surgiu precisamente pela vontade que eu tenho em partilhar estas pequenas coisas que eu faço neste hobbie, que inclui bricolagem, jardinagem, culinária, hábitos de vida saudáveis, vida ao ar livre, etc…
Este é um blogue que se diferencia dos outros porque é muito genuíno, como eu sou. Na medida em que não há uma enorme produção de fotografias, nem nada, e nem sequer há um acabamento final perfeito nos trabalhos que eu apresento. Aquilo sou eu e são as coisas que eu faço … e que decidi partilhar, espero que gostem (risos).

Leonor Poeiras

Sou de ir atrás das coisas que quero, não sou pessoa de ficar à espera que elas me apareçam feitas…

Apesar de estar formada na área da comunicação continua a frequentar cursos sobre os mais variados temas. Podemos afirmar que encara a vida como uma constante aprendizagem?

É verdade, eu encaro a vida com uma enorme aprendizagem … uma constante aprendizagem. Eu acredito que nós não nascemos para trabalhar. Acredito que nascemos para aprender e, nesse sentido, quererei sempre aprender mais sobre aquilo que eu não sei. Que, no fundo, me faz falta. Ainda há uns tempos fiz um workshop de joalharia precisamente porque tinha o sonho de fazer os meus próprios anéis. Tinha esse desejo de fazer três anéis e consegui fazê-los. Inscrevi-me num workshop e assim o fiz. Sou de ir atrás das coisas que quero, não sou pessoa de ficar à espera que elas me apareçam feitas, e também não sou de as ir comprar, simplesmente. Dá-me a mim muito mais prazer terminar um trabalho e ver que está uma missão cumprida. Fico feliz com isso.

Rising Star: A Próxima Estrela veio colocar a Leonor num novo patamar. Como foi assumir a condução de um formato inovador em Portugal?

O Rising Star, de facto, foi um programa muito inovador. Um formato inovador em Portugal. Assumir a condução deste programa foi um privilégio, um prazer, uma honra … Um mega estúdio, um mega formato. E também o facto de conseguirmos lançar alguns cantores no mercado. Cantores esses com enorme qualidade, não é? Como se viu. E portanto foi um grande prazer, acima de tudo, conduzir este programa. Foi fácil. Sentia-me preparada tecnicamente para o fazer, acho que já há algum tempo, e portanto quando surgiu o convite foi um prazer. Fi-lo sempre de forma descontraída e genuína, como eu acho que se pode ver em todas as edições (risos).

Apesar de já ter experiência na apresentação, viu-se, na altura, acompanhada por Pedro Teixeira, inexperiente na área, na condução do talent show. De que forma esta dupla se conseguiu encontrar e dar o melhor de cada um? Foi um processo difícil?

Trabalhar com o Pedro Teixeira não foi nada difícil, pelo contrário. Foi, de facto, muito fácil por já sermos amigos há algum tempo. O próprio assumia que era inexperiente na área da apresentação, e por isso acho que formámos uma equipa muito boa, em que se notou toda a nossa cumplicidade e amizade que existe fora dos ecrãs, e também existiu no palco do Rising Star. Foi um prazer. Ele cresceu bastante durante a condução do programa e agora está lançado, como se vê.

Leonor Poeiras e Pedro Teixeira

Trabalhar com o Pedro Teixeira não foi nada difícil, pelo contrário. Foi, de facto, muito fácil por já sermos amigos há algum tempo.

Tem acompanhado a prestação de Pedro Teixeira em Dança com as Estrelas? Como tem visto a sua evolução?

Eu gosto de ver o Pedro no Dança com as Estrelas. Ele não tem tanto destaque, por assim dizer, como tinha no Rising Star, mas está ótimo. Confere o ar da sua graça. O Pedro é muito carinhoso e muito engraçado, nós derretemo-nos a olhar para ele … e por isso eu acho que ele enche o ecrã, é uma simpatia de pessoa. É um cavalheiro. Eu gosto mesmo muito de o ver e ver este trabalho dele a avançar tão bem.

Segundo avança a imprensa especializada, há a possibilidade de a TVI apostar numa segunda edição de Rising Star. Gostava de voltar a conduzir as galas juntamente com o seu parceiro?

Gostava imenso que voltasse o Rising Star. Não está previsto para já, mas a voltar é claro que adorava conduzi-lo juntamente com o Pedro Teixeira. Só assim é que faz sentido, não é? Não há razão para retirar ou separar esta dupla de apresentadores, uma vez que a primeira edição correu tão bem e acabou mesmo por ser um sucesso.

Leonor Poeiras

Nunca apresentei projetos com os quais não me identificasse mas já me cansei de alguns formatos, é certo.

Há algum formato em exibição que a agrade particularmente e pelo qual gostava de ter dado a cara? E o contrário? Já apresentou projetos de que não gostasse particularmente?

Nunca apresentei projetos com os quais não me identificasse mas já me cansei de alguns formatos, é certo. Agora, para sermos bons profissionais temos que saber trabalhar com qualquer equipa, com qualquer co-apresentador e com qualquer formato. Era aqui que eu queria chegar. Portanto, isso faz de nós bons profissionais.

Para finalizar, uma mensagem especial dedicada aos seus fãs e leitores do Quinto Canal.

Aos meus fãs eu deixo um beijo imenso. A minha mensagem é de esperança e otimismo. Acredito que, apesar de estarmos a viver tempos um pouco difíceis, profissionalmente falando, acho que não podemos deixar de acreditar que somos capazes, de facto, de fazer aquilo a que nos propomos. E se, por ventura, o nosso sonho não correr bem é porque, se calhar, não era o sonho certo. Há que pensar e repensar e fazer escolhas e depois sim, ir em frente, porque somos capazes, sem dúvida. Somos capazes de fazer aquilo a que nos propomos. Um beijo a todos!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não vai ser publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.