Não há quem queira perder a guerra das audiências, mas alguém tem de vencer. E é a pensar na liderança que muitas vezes se perde o posto alcançado. Veja-se o caso da TVI que ao começar a produzir novelas em séries acabou por levar a um desgaste do formato e hoje em dia nem as estreias parecem atrair os bons resultados. Três produções próprias em horário nobre, as histórias deficitárias e a má estratégia na programação acabaram por ditar o desligamento dos telespectadores das tramas que acompanhavam.

Na SIC, a tendência parece ser inversa. Com o mesmo número de novelas da TVI, as histórias parecem atrair cada vez mais telespectadores e nem mesmo os horário tardios afastam o público.

A diferença entre as estações está claramente na qualidade das suas produções. Uma tem histórias cheias de elementos repetidos, sem rasgos de inovação. Outra, ainda que não oferecendo ficção nacional, dá oportunidade aos telespectadores a acompanharem o que de melhor se faz no Brasil. Histórias que envolvem, aproximam e trazem algo de diferente ao já visto antes.

A diferença da qualidade entre produções nacionais e brasileiras é ainda gigantesca. Nenhuma outra estação faz novelas como a Globo, que vai aos mínimos detalhes e se preocupa com o que está a oferecer aos telespectadores.

Pode ser que um dia tal venha a acontecer em Portugal, e parece que se está cada vez mais próximo. SIC e TVI estão agora a lutar de igual para igual na ficção portuguesa e cada uma quer levar a melhor. Só aquela que oferecer qualidade nas suas histórias, mostrar respeito pelo produto e pelo público sairá vencedora. Este ano serviu de lição à TVI, que viu a liderança de horário nobre perdida para a SIC. Para o ano, com as novas produções se verá quem realmente produz melhor.

DEIXE O SEU GOSTO E PARTILHE:

Artigos Relacionados