RTP Televisão

O que dizem as caras da RTP sobre o futuro da estação?

O futuro da RTP tem dado muitas dores de cabeça aos mais diversos profissionais da estação. Assim, e se uns não pensam noutra coisa, outros estão descansados e até curiosos sobre aquilo que o próximo ano lhes reserva. No caso de Fernanda Freitas, não existem dúvidas de que o seu Sociedade Cívil merece permanecer em antena, ainda por mais pela quantidade de parcerias que durante sete anos foram estabelecidas. À Notícias TV a apresentadora confessou o seguinte:

O meu programa convive com desenhos animados e a partir daí está tudo dito. Como não sei como vai ser a próxima grelha, não posso estar a adiantar nada. Mas, no momento em que está o programa, com sete anos de existência, com o reconhecimento do público e com as parcerias que temos, estou muito descansada porque os objetivos que foram fixados para este programa foram cumpridos.

Quanto a Fernando Mendes, o «rei das tardes» da RTP, defendeu que o seu Preço Certo é serviço público, tendo por base a quantidade de pessoas que por lá já passaram, assim como os costumes, tradições e gastronomia que já foram visualizadas pelos milhares de telespetadores que assistem ao concurso. «Trazer aquelas pessoas todas, diverti-las, entramos em várias casas do nosso país diariamente com todas as ofertas que são mostradas por quem lá vai. Eles trazem gastronomia, artesanato, mostram a cultura das suas terras. Não é serviço público? Acho que é», explicou.

Por fim, Jorge Gabriel é o mais reticente sobre esta questão. O apresentador da Praça da Alegria destacou que é preciso alguma calma e tranquilidade quando se aborda o assunto em causa. O futuro é desconhecido e, como tal, porque não esperar por aquilo que vai realmente acontecer?

Não vale a pena traçar cenários, criar expetativas, é perda de tempo. Há que aguardar. Temos de aguardar tranquilamente e temos é que nos prestar a trabalhar. Temos de ser capazes como eu sempre disse, de apresentar o boletim meteorológico. E isto aplica-se na RTP como em todo o lado

Independentemente das opiniões, a verdade é que em 2013 só existirá um único canal de serviço público.

DEIXE O SEU GOSTO E PARTILHE:

Artigos Relacionados