Geral Televisão

Festivais de música custam 50 mil euros por dia aos canais de televisão

O Super Bock Super Rock já está a dar música aos portugueses, e o Optimus Alive prepara-se para fazer a delícia de vários fãs que esperaram muito tempo para ouvir as suas bandas preferidas. Para todos os que não podem marcar presença nestes festivais existe sempre uma alternativa: a rádio ou a televisão. No segundo caso, a SIC Radical tem sido a estação oficial de vários destes eventos, nomeadamente do Rock In Rio Lisboa, o que lhe assegura à partida milhares de telespetadores nos dias de transmissão dos mesmos.

A Notícias TV desta semana fez as contas, e ficou a saber que, por dia, são investidos 50 mil euros para que uma televisão transmita os concertos que tantos querem acompanhar. «São cerca de 50 mil euros por dia, contando com os custos técnicos, deslocação de cerca de 50 pessoas, refeições, tudo e durante horas de diretos», explicou Pedro Boucherie Mendes, diretor da SIC Radical.

Já Hugo Andrade referiu que esse será o orçamento final que a RTP idealiza gastar para que o telespetadores fiquem a par de tudo o que se passa no Optimus Alive: «No máximo, no total dos três dias, custará isso. Teremos apenas um carro de exteriores, que é o que encarece mais, e a componente dos jovens que saíram da academia da RTP.»

No caso da estação pública está a ser preparada para o festival que se realiza em Algés nos dias 13, 14 e 15 de julho, uma aposta na Internet. Para além do direto de Top + no sábado, e das emissões especiais antes e depois do Telejornal, os telespetadores poderão ainda contar com uma emissão contínua através do site da RTP. «Vamos fazer uma grande aposta, em que haverá uma emissão contínua. Será daí que vão sair os blocos para a televisão», adiantou o diretor de programas do primeiro canal.

Por fim, Hugo Andrade salientou que espera que esta iniciativa corra pela melhor, num ano em que a RTP se estreia nestas andanças: «A RTP tem um público mais velho e estamos a procurar trazer alguma juventude à nossa antena, na linha do que temos vindo a fazer no 5 Para a Meia-Noite. Nunca faremos uma aposta demasiado arrojada, mas uma coisa com muito equílibrio. É o primeiro ano, vamos ver como corre.»

Outras Notícias