Como Eu Ouço

Esta semana vou sugerir-vos que conheçam alguns artistas que começaram a trilhar o seu caminho na cena musical recentemente, mostrando-nos que a música nunca se coíbe de evoluir em ramificações deliciosas e surpreender-nos através de uma constante mutação e junção de influências. Como tal, reuni alguns dos projectos que creio serem dignos de uma maior exposição, pela criatividade e integridade da sua arte. Espero que tenham a audácia de descobrir, a coragem de incentivar quem se atreve a correr riscos e a desenvolver a música de forma signatária.

Dark Dark Dark
Um projecto de cores cinzentas e reflexos de âmago. Frágil e profundo.

 

Land of talk
Uma banda ambígua que consegue brilhar entre temas de uma crueza inexplicável e batidas de ruído portentoso.

 

Dillon
Uma composição à laia de Apple, com requintes de malvadez.

 

Soley
Delicada, angustiada e desprotegida.
Hey, Rosetta
Composições sublimes de entoação franca.
Emmy Curl
Um projecto português que conta com o carisma multifuncional da jovem Catarina Miranda, a mostrar que ainda há quem se supere e saiba germinar em solo hostil.
Geike
O ambicioso projecto a solo da antiga vocalista dos Hooverphonic.

 

Paper Lions
Um projecto de sonorização confortável e cintilante.

 

The Lumineers
O êxito estrondoso de um projecto singular.
Chet Faker
Uma voz quente e cheia de cenários.
Espero proporcionar-vos uma boa descoberta. Porque a música fará sempre sentido.
Até para a semana.

 

DEIXE O SEU GOSTO E PARTILHE:

Artigos Relacionados