The Bible

 Tal como o nascimento de Cristo a Páscoa é uma celebração cristã muito importante no calendário desta religião. E muitas são as adaptações cinematográficas e televisivas que as produções fazem daquele que é considerado o livro sagrado: A Bíblia.

Para não perder a oportunidade e voltar em força às produções fictícias, o canal History, que teve sucesso com a série Vikings, colocou a nova adaptação televisiva nas mãos de Mark Burnett e Roma Downey. E estes fizeram exatamente aquilo que era suposto, não surpreendendo ninguém mas sendo eles os premiados pelo enorme sucesso de audiências do primeiro episódio.

The Bible é um projeto de dez horas divididos em 5 episódios cuja data de conclusão coincide com o dia de Páscoa. Procurando abordar o conceito geral da Bíblia, a série apresenta as histórias mais importantes do Antigo Testamento até ao Novo: A Arca de Noé; Abraão e o sacrifício do seu filho Isaac; Moisés e a fuga da escravidão do Egipto com a divisão do mar assim como a obtenção dos Mandamentos; Josué e a tomada de Jericó; a misteriosa força de Sansão; a história do pastor Davi que se tornou rei; o corajoso Daniel que sobrevive ao enjaulamento com leões e por fim a história de Jesus. Muitas outras são contadas ao longo dos episódios através de pequenos excertos visuais ou menções durante a voz off. Este é o principal destaque desta produção. Os produtores da série pretendiam mostrar que os acontecimentos que muitas vezes são apresentados individualmente têm uma ordem cronológica e um sentido que os faz ligar uns aos outros. É através da utilização de um narrador que os acontecimentos nos vão sendo apresentados, explicados e relacionados uns com os outros.

A escolha dos atores pesou muito nesta produção. Como os responsáveis admitiram, procuraram não ter ninguém no elenco que prendesse o público e que se destacasse mais do que os outros. E esse objetivo foi cumprido. Pelo menos lá porque cá em Portugal o sucesso de Diogo Morgado foi tal que muitos esperaram ansiosamente pela sua aparição. E ao contrário que alguns meios de comunicação anunciaram, esta só aconteceu no sexto episódio (exibido este domingo), apesar de ter aparecido em trechos em episódios anteriores. Do pouco que vi da sua prestação devo admitir que me cativou bastante. Consegue transpor todo o carisma da personagem sem ser algo mecânico e demasiado teatral. Aliás, todos os seus movimentos, posturas e fala estão em concordância, o que já valeu a Diogo Morgado boas críticas. Os outros atores não ficam atrás também. O elenco é muito grande para conseguir referir todos os nomes mas nota-se uma preocupação e um estudo feito por parte dos atores em relação ao seu papel resultando em prestações muito boas, concordantes e convincentes.

The Bible

O que não convence e deixa de fato muito a desejar são os efeitos visuais utilizados. Uma vez que a produção até teve um orçamento bastante elevado e os avanços tecnológicos permitiram um aperfeiçoamento neste sector, não compreendo o porque de algo tão importante para a produção estar mal aproveitado.

Contudo, existe nesta produção algo que ainda não tinha visto em tão grande quantidade noutras adaptações televisivas: a violência. Os episódios são recheados de batalhas e lutas bem encenadas e aproveitadas. Não sendo uma série violenta existe um bom controlo do que é mostrado e pouca inibição da violência exibida. Não existem cenas demasiado fortes mas sim uma continuidade de eventos violentos, congruentes e coerentes, que dão outro ritmo à série, conjugando ação com história.

Procurando chegar a um público jovem, esta série nada traz de novo nem de brilhante a quem já conhece e já viu muitas adaptações da Bíblia. É sem dúvida um bom exemplo de uma boa produção televisiva que teve um investimento enorme e terá uma marca na história. E o momento da sua exibição é bastante oportuno.

A SIC dividiu a série em 4 episódios que exibirá entre os dias 28 a 31 de Março, a partir das 00:30h.

Artigos Relacionados