Geral

Brittany Maynard cumpriu o seu último desejo

O mundo ficou incrédulo há uns meses quando Brittany Maynard decidiu terminar a sua vida no dia 1 de novembro, após ter sido diagnosticada com um cancro incurável. Durante esta semana, a jovem até tinha voltado atrás na sua decisão, mas acabou por falecer no sábado.

Em janeiro deste ano, Britanny foi diagnosticada com um cancro agressivo e incurável no cérebro e em abril os médicos confirmaram-lhe que teria pouco mais do que seis meses de vida. A jovem de 29 anos decidiu então ter uma morte digna, recorrendo ao suicídio assistido, uma vez que o diagnóstico para os seus últimos meses de vida seria de uma dor muito forte e prolongada. Contudo, a sua decisão provocou um enorme debate nos EUA, pois o suicídio assistido só é legal em cinco estados (Washington, Montana, New México, Vermont e Oregon), o que levou a que a doente e a sua família se mudassem da Califórnia para Oregon.

No final da semana passada, Brittany lançou um novo vídeo onde mostrou estar indecisa quanto à decisão que tinha tomado e que de momento se encontrava bem, pelo que não iria cumprir a data que tinha estabelecido. Também nessa semana ela cumpriu o seu último desejo e visitou o Grand Canyon, no Colorado. A jovem acabou por falecer pacificamente na sua casa no dia 1 de novembro, como tinha decidido.

No dia da sua morte a jovem publicou a sua última mensagem no Facebook, que pode ler aqui em baixo:

Goodbye to all my dear friends and family that I love. Today is the day I have chosen to pass away with dignity in the face of my terminal illness, this terrible brain cancer that has taken so much from me … but would have taken so much more. The world is a beautiful place, travel has been my greatest teacher, my close friends and folks are the greatest givers. I even have a ring of support around my bed as I type … Goodbye world. Spread good energy. Pay it forward!

(Adeus a todos os meus queridos amigos e família que eu amo. Hoje é o dia que eu escolhi para morrer com dignidade, considerando a minha doença terminal, este cancro cerebral terrível que já me tirou tanto… mas que poderia ter tirado muito mais. O mundo é um lugar bonito, viajar tem sido o meu grande professor, os meus amigos próximos e família são os maiores dadores. Eu até tenho um anel de apoio à volta da minha cama enquanto escrevo… Adeus mundo. Espalhem boas energias.)

Outras Notícias