Geral

«A força do audiovisual na sociedade» – uma conversa com Cândida Pinto e Jorge Pelicano

candida pinto jorge pelicano

A força do audiovisual na sociedade dominou o auditório municipal de Lagoa. Com a presença de Cândida Pinto, jornalista e coordenadora da Grande Reportagem da SIC, e Jorge Pelicano, repórter de imagem e realizador, o tema foi lançado através de três episódios da série documental Momentos de Mudança.

Pouco mais de meia centena de pessoas juntou-se ontem à noite, em Lagoa, para participar no debate “A Força do Audiovisual na Sociedade” com a presença de dois dos autores da série documental de maior sucesso da SIC. Momentos de Mudança foi para o ar em 2012 e quis “mostrar coisas que estavam a mudar na sociedade portuguesa”, como referiu ontem a jornalista do terceiro canal. “Nós queríamos que cada pessoa fosse exemplificativa da história que queríamos mostrar”, explicou.

O método de realização utilizado nos documentários foi o Cinematic Journalism, em que o narrador da história são as próprias personagens da mesma, ao invés do jornalista, numa técnica que pretende aplicar o cinema documental ao jornalismo. Após a apresentação do conceito que juntou milhões ao ecrã, todas as semanas, seguiu a amostragem de três episódios escolhidos de acordo com a realidade vivida no concelho algarvio. Germano e Elisa – A entrega da casa foi o primeiro. O primeiro tema apresentado focava-se numa família cuja mãe e filhos sofrem de síndrome de Alport e que entraram em insolvência. Seguia-se Maria Amélia – De casa para o lar. Descia assim como tema o envelhecimento da população e a solidão dos idosos. O nascimento do Duarte foi o terceiro e último episódio. A baixa taxa de natalidade e o adiamento na decisão da paternidade foi outro dos assuntos que esteve em discussão. Na apresentação do documentário Cândida Pinto referiu que a equipa quis perceber “o que se passa na cabeça das pessoas que têm um filho tão tarde”.

documentarios

Episódios reais da sociedade, retratada em Momentos de Mudança, estiveram assim em análise. O endividamento das famílias, o papel dos bancos na realidade atual, o desemprego e a ginástica orçamental foram dos assuntos mais discutidos na sala, focando-se não só no contexto nacional mas dando maior destaque ao que é feito no concelho de Lagoa. Os presentes quiseram saber quais os procedimentos, os cuidados e a forma de atuação da equipa. Sempre muito simpáticos, os oradores responderam às questões que lhes foram colocadas e mostraram uma disponibilidade enorme para partilharem experiências e pensamentos. “Respeitámos a dignidade e não quisémos levar isto para a exposição mas sim para a partilha”, explicou Jorge Pelicano aquando questionado sobre a transformação das histórias em sensacionalismo mediático. Não quiseram também apelar ao sentamentalismo dos espectadores mas sim dar a conhecer realidades. Ambos os oradores explicaram que a SIC lhes deu tempo para produzir aquele conteúdo o que foi sem dúvida uma grande ajuda. Durante quase todo o ano de 2012 a equipa pesquisou pelas melhores histórias que retratassem a realidade portuguesa na atualidade: “não procurámos pessoas exibicionistas”. Tanto Cândida Pinto como Jorge Pelicano explicaram que o processo de produção foi longo pois tiveram alguma dificuldade em conseguir que as famílias estivessem autorizassem as gravações. A equipa de produção não excedeu as 4/5 pessoas e durante as filmagens era comum estarem normalmente três membros presentes com as famílias. Desta forma, foi possível uma maior proximidade com os protagonistas das histórias.

candida pinto jorge pelicano

O resultado final é um trabalho com grande aceitação por parte do público, pautado não só pelas histórias mas também pela excelente edição e montagem de imagens. Os documentários prenderam milhões ao ecrã quando foram exibidos na SIC e o feedback foi muito positivo. Estas histórias continuam a causar grande impacto e a promover o debate sobre as temáticas em que se focam.

No final, ainda houve tempo para uma dedicatória para o Quinto Canal.

autografo candida pinto

Artigo redigido e editado por André Palma, Inês Calhias e Sílvia Farinha

Artigos Relacionados