Já decorre a sétima edição do «IndieJúnior» no Porto

Já arrancou a sétima edição do Festival Internacional de Cinema Infantil e Juvenil do Porto, que decorre até domingo, dia 29 de janeiro.


O evento ocupará o Batalha Centro de Cinema, a Biblioteca Almeida Garrett, a Casa das Artes, a Casa Comum – Reitoria UP, a Galeria da Biodiversidade, o Museu Nacional Soares dos Reis, o Novo Ático no Coliseu Porto Ageas e o Maus Hábitos. Ao longo dos 7 dias, o IndieJúnior propões sessões de cinema organizadas por temas e faixas etárias, experiências imersivas para bebés, oficinas, um cine-concerto e atividades descontraídas para famílias.

Tendo como tema central o Mar, o festival, em parceria com o projeto FILMar, apresentará sessões especiais compostas por dez títulos restaurados de ficção, documentário e animação, resultantes de encomendas institucionais ou com objetivos recreativos, informativos ou propagandísticos, realizadas entre 1929 e 1956, onde se exploram as relações da região com o mar, a cidade do Porto e sua zona costeira. Num trabalho paralelo realizado pelo festival com a escola OSMOPE, dois dos 10 filmes serão apresentados com sonorização produzida num atelier a realizar com alunos da instituição.

O mais acolhedor espaço do festival, o Cinema de Colo regressa, este ano, ao festival. Com sede no Novo Ático, no Coliseu Porto Ageas uma cenografia especialmente pensada para crianças com idades entre os 3 e os 30 meses, a experiência permite uma primeira exploração do grande ecrã. A par das sessões de projeção, o Cinema de Colo integra, pela primeira vez, uma oficina, onde elementos como água, cor e som serão usados, de forma criativa, para estimular os sentidos dos mais pequenos.

Para o fim-de-semana, a par das sessões família, com filmes para todas as idades, o festival leva ao Batalha um cine-concerto com música dos The Banksy’s (Vítor Rua e Teresa Ilda de Castro). Alinhado está ainda um foco dedicado ao cinema norueguês, que inclui a exibição da longa-metragem O Verão em que Descobrimos os Nossos Superpoderes, assim como uma seleção de curtas de animação para a infância, que dão a conhecer o trabalho dos realizadores da actualidade.

Fora da sala de cinema, destaque para o debate em torno da forma como o cinema e arte podem ser ferramentas importantes para fazer o luto (26 de janeiro, 11 horas, Casa Comum – Reitoria da UP), a oficina Animação de Recortes (29 de janeiro, 10h30, Museu Nacional Soares dos Reis, Porto) ou a oficina Vamos Imaginar uma Cidade Sustentável? (26 de janeiro, 14h00 e 18h00, Galeria da Biodiversidade).

Também aqui há destaque para o cinema português com exibição de quatro filmes portugueses, Ice Merchants, de João Gonzalez, O Homem do Lixo, de Laura Gonçalves, O Casaco Rosa, de Mónica Santos e O Conto da Raposa, de Alexandra Allen, que serão acompanhados por conversas entre os realizadores e os espectadores.

Nota final para a secção O Meu Primeiro Filme, onde se mostrará Marie Antoinette, de Sofia Coppola, uma escolha do influenciador digital e dj Peter Castro, a Matiné Dançante marcada para dia 29 de janeiro, pelas 17h30, no Café do Batalha, e a sessão Cinema à Mesa, a ter lugar no Maus Hábitos na quarta dia 25 de janeiro, pelas 22h00.


André Kanas

http://www.facebook.com/andrekanas

Diretor e Gestor de conteúdos e redes sociais do QC | Responsável pelas coberturas musicais e televisivas do QC | Integrou o QC em 2013, estando integrado no mundos dos blogues e sites de entretenimento desde 2007.

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *