Quarta-feira, 17 de Janeiro de 2018
Quinto Canal

Memórias da TV: Os altos e baixos de «Não Há Bela Sem João»

Esta semana as nossas Memórias da TV viajam por esta atual década, recordando os altos e baixos do formato da TVI, Não Há Bela Sem João.

Querendo-se identificar como um programa leve e ideal para o verão, com muita música à mistura, jogos e divertidos momentos de descontração, o Não Há Bela Sem João foi sem dúvida pautado por altos e baixos. Recorda-se?

Juntando na apresentação uma dupla completamente improvável, o formato contou com a estreia de João Paulo Rodrigues na apresentação, trazendo consigo Marisa Cruz, que se veio a revelar o equilibro certo para combater as extravagâncias do humorista neste novo programa da TVI. Desde de ter servido para apresentação das novelas do canal, servindo posteriormente para promover apenas as várias edições e novidades semanais da Casas dos Segredos, todas as semanas não faltam diversos momentos musicais, muito humor e ainda convidados especiais.

             Leia também: Memórias da TV: «Operação Triunfo» e a aposta da RTP

O formato, apesar de ter uma forte componente de humor, era visto por muitos como lixo televisivo. A necessidade da estação se impor naquele horário falou mais alto e o programa acabou por ir para o ar com muitas pontas soltas, que se foram juntando aos poucos no decorrer das semanas. Mas se havia semanas em que o programa arrasava nas audiências chegando a ficar no Top 5 do dia, havia outras em que era completamente humilhado pela concorrência.

Curiosamente o Não Há Bela Sem João, que era um programa inicialmente previsto para durar algumas semanas, chegou a ficar quase dois anos no ar, tendo apenas algumas interrupções pontuais pelo meio, e que chegou ao fim naquela época não porque o canal quis, mas sim porque um dos elementos abandonou o projeto, altura em que João Paulo Rodrigues se mudou para a SIC para abraçar o programa Queridas Manhãs da SIC, que ainda hoje conduz ao lado de Júlia Pinheiro.

PARTILHAR