Ficou conhecido pela sua participação na Academia de Estrelas, no entanto muitos outros projetos marcaram a carreira do eterno «Girafa». O 5º Canal esteve à conversa com uma das estrelas da segunda temporada de A Tua Cara Não Me É Estranha, e ficou a conhecê-lo um pouco melhor. Afinal, o talento de Manuel Melo estende-se a várias áreas: desde a música, passando pela representação e ainda pela apresentação.

Se és fã do seu talento, então embarca nesta viagem pela sua carreira que completa uma década este ano!

I

Quem é o Manuel Melo?

Rapaz simpático, que se ajeita com as coisas da comunicação social, bom comunicador .

Como nasceu o teu sonho pelo mundo da música?

Quando era mais novo (9 anos), a minha mãe deu comigo a fazer música com uma máquina de calcular que ela tinha, e então resolveu comprar-me um piano, porque precisava mesmo da máquina de calcular para ela. Logo acho que começou muito cedo, mas não me lembro ao certo quando.

Ficaste conhecido pela tua participação no concurso de talentos da TVI, Academia de Estrelas. Fala-nos sobre esta experiência.

Foi a minha “tropa”.

Ainda manténs contacto com algum dos ex-concorrentes do programa? Se sim, quais?

Sim, Vanessa Silva, Cláudia Carvalho, Nuno Carrilha.

Passados dez anos, quais as recordações que ficaram?

Eu amei a experiência, tive emoções ao rubro, conheci-me para lá das minhas referências, dos meus limites. Fica a gratidão pelo desafio, e a aprendizagem consumida.

II

Para além da tua paixão pela música, sempre tiveste o sonho da representação. Das novelas em que participaste, qual a personagem que mais gostaste de interpretar?

A novela Saber Amar foi a que marcou mais o público e, sem dúvida, a minha carreira. O lugar que tem no meu coração é enorme, logo teria de dizer o Girafa.

Os projetos de comédia também marcaram a tua carreira. Tens saudades de participar em séries como Malucos do Riso ou Camilo, O Presidente?

Tenho sim. Tudo o que está relacionado com os tempos de comédia me dá saudade, se bem que a minha vida pessoal é uma comédia, com tempos bem marcados.

O que significa para ti a oportunidade de fazer rir os portugueses?

Teria de escrever um livro para responder a esta pergunta de forma completa e concisa mas, sucintamente, é a oportunidade de poder ser eu próprio, e fazer a minha vida com isso, sem recorrer a outras “praias”, a outros caminhos. É um Privilégio fazer o que se gosta!!!

Chegaste a integrar o elenco de alguns projetos cinematográficos. O que achaste da experiência?

Adoro fazer cinema, pela exigência, pelo rigor e, principalmente, por que é uma área onde o ator tem mais oportunidades para mostrar o melhor de si.

Desde 2008 que os convites para regressares aos ecrãs nacionais começaram a escassear. Como reagiste a este esquecimento e como lidaste com ele?

Não foi só esquecimento, eu também tomei decisões ambíguas que ajudaram a este escassear de trabalho. Tudo faz parte de uma aprendizagem: não há ator nenhum que não tivesse de fazer a sua «travessia do deserto».
Lembro por exemplo o grande ator John Travolta, que esteve 10 anos sem trabalhar na indústria cinematográfica da América depois de fazer o Grease. Foi longa a sua travessia, e hoje é o caso de sucesso que é. Tudo faz parte da vida e se conjuga no final. E só nesse final é que se pode contar uma história.

III

Provaste que és versátil e, por isso, os portugueses também puderam conhecer a tua veia de apresentador. Comunicar faz também parte dos teus ideais de vida?

O meu grande «problema» é esse mesmo… Eu não vivo bem sem comunicar, é como um surfista sem prancha, ou um guitarrista sem guitarra. Comunicar dá-me a conhecer a mim próprio. Não é só uma forma de fazer chegar a mensagem, é também uma rampa de crescimento a todos os níveis.

Foste convidado para integrar a equipa de Somos Portugal, programa que ocupa a grelha de programação dos domingos à tarde da TVI. Como surgiu o convite?

Da própria produtora Coral Vision Europa.

Pretendes continuar a apostar nesta área? Se sim, qual o programa transmitido na atualidade pelas generalistas com o qual mais te identificas?

Sempre, e o meu cargo no Somos Portugal será mesmo o sitio ideal onde me sinto mais confortável na área de ator espontâneo.

IV

Apesar de tantos trabalhos, nunca deixaste a música de lado. Os teus espetáculos ao vivo tornaram-se uma mais-valia para a tua carreira?

Hoje em dia os meus espetáculos acústicos são um complemento obrigatório. Toco todos os fins de semanas há mais de 2 anos. São projetos levantados do chão por mim, criados por mim, usando a experiência de ator e de guitarrista de há muito tempo. Torna-se familiar e interativo.

Fiquem a conhecer melhor a minha faceta no mundo da música no seguinte sítio: www.manuelmeloacustico.pt.vu .

Os portugueses ficaram a conhecer melhor o teu talento através da tua participação na segunda temporada de A Tua Cara Não Me É Estranha. Qual a imitação que mais gostaste de trabalhar?

Sem dúvida que o Bruce Springsteen , pela prestação que consegui resolver.

O que achas do programa apresentado por Cristina Ferreira e Manuel Luís Goucha?

Não vejo mais nenhuns apresentadores com a mesma eficácia a todos os níveis a fazerem o que eles conseguem fazer.

A Tua Cara Não Me Estranha consegue ser uma porta aberta para os telespetadores ficarem a conhecer o trabalho de um artista?

É a melhor «montra» nacional para o efeito, pela audiência (lideres desde o início), e credibilidade dada pelos artistas e principalmente pelos apresentadores e jurados.

O concurso tem-te ajudado profissionalmente? Quais os projetos que surgiram para além do convite para integrares a equipa de Somos Portugal?

Óbvio que sim. Não muitos.

V

Até agora trabalhaste maioritariamente para a TVI. Se te apresentassem um contrato de exclusividade aceitarias?

Nunca se sabe o dia de amanhã, mas hoje não aceitaria nenhum com toda a certeza!

Gostavas de voltar ao mundo das novelas?

Sim.

Para quando uma peça de teatro?

Também não sei.

Costumas visitar algum site sobre televisão frequentemente? Na tua opinião, qual a importância que estes têm na atualidade?

A sua importância como qualquer outra coisa.

Uma mensagem para os leitores do 5º Canal.

Obrigado pela consideração e apoio à minha pessoa e prestações apresentadas.

Muito obrigado e boa sorte para o teu futuro!

Artigos Relacionados

Siga o Quinto Canal nas redes sociais: